28 de outubro de 2011

Dicas para revisores de textos acadêmicos

Os revisores de textos sempre dão dicas para os autores, a mais importante delas é que todo texto precisa passar pela revisão profissional. Mas existem as dicas para revisores, eles mesmos, às quais sempre estamos atentos e que podem servir de orientação para o autor compreender o trabalho do revisor e sua importância.
Os revisores de textos têm critérios de trabalho que
devem ser conhecidos pelos autores em benefício do
objeto de trabalho comum: o texto.
Os fragmentos que se seguem são originários do texto Doze dicas para revisores e foram livremente cortados e adaptados.
Muitas das habilidades críticas necessárias para tornar-se um revisor acadêmico de sucesso não são, em geral, ensinadas nas escolas de graduação, pelo menos não de modo formal. Uma destas é como revisar artigos acadêmicos profissionalmente, com foco no interesse do cliente.
Como as pessoas aprendem a revisar? A maioria dos revisores aprendem a revisar pela imitação.  “O trabalho de um revisor é desaprovar o texto. Procure quaisquer falhas que ele possa ter na grafia, sintaxe, lógica, coerência e nas conclusões e então as comunique ao autor.” Deste modo, o ciclo de revisões negativas se perpetua gerações afora, mas não é assim que deve ser; vejamos algumas diretrizes a que aderimos:
  1. Clareza na função. O trabalho do revisor é melhorar um artigo submetido, não (necessariamente) julgá-lo e certamente não desqualificá-lo. O autor espera seu trabalho para valorizar o texto, de forma que você deve aperfeiçoar a redação do artigo e apresentar sugestões.
  2. Agilidade no trabalho. Suas revisões precisam ser programadas. Não deixe para começá-las no último minuto. Se quer construir uma reputação como bom revisor, seja pontual e apronte sua revisão à frente do cronograma.
  3. Cuidado na leitura. Sim, você precisa ser ágil, mas não às custas da exatidão. Leia o artigo cuidadosamente e retorne aos trechos que não estejam claros tantas vezes quantas forem necessárias, em cada um das fases da revisão.
  4. Interferir sem hostilidade ou tendências maliciosas na revisão. Já houve revisões hostis em demasia, demonstrando superioridade no trato com a língua. Se houver alguma confusão mais comprometedora no texto, apresente-a abertamente mas sem ser rude a respeito.
  5. Concisão nas explicações. O autor é pessoa ocupada. Ele espera sua opinião, não tratado de linguística e teoria da comunicação justificando cada interferência.
  6. Não ser pedante. Não limite seu trabalho à procura de erros de grafia e infelicidades gramaticais. Mas não reconstrua todo o texto do autor. Os revisores de texto existem para melhorar o trabalho do autor, não para o substituir.
  7. Bom estilo de revisão. Não há consenso acerca de um estilo de revisão, de modo que você pode desenvolver um que lhe seja mais aprazível. Mas estilo de revisão não pode ser impor estilo autoral do revisor.
  8. Recomendação de reescrita. Melhor sempre reescrever, quando possível, e perguntar se era aquilo que o autor pretendia dizer.
  9. Cuidado com o egocentrismo. O trabalho do revisor é de assessoramento do autor, ele é a estrela do texto.
  10. Não opinar sobre o trabalho, emita seu parecer no máximo quanto à estrutura do texto e apenas se o autor solicitar expressamente.