27 de março de 2009

Por que, porque, por quê, porquê

Exatidão nas perguntas
e nas respostas: Keimelion.
Essas expressões costumam causar confusão e até perplexidade, não é sem razão: são pronunciadas da mesma forma, dependendo da entonação, mas as grafias são quatro!
Por que (separado, sem acento) – Em perguntas diretas ou indiretas, no início ou meio de frases. Neste caso, sempre cabe a palavra motivo. Exemplo: Por que (motivo) trabalhas tanto? É a preposição por acompanhada do pronome interrogativo que.
– Em construções em que pode ser trocado por pelo qual e suas flexões (pelas quais, pelos quais). Trata-se de preposição por acompanhada do pronome relativo que. Exemplos: Só sei as esquinas por que (pelas quais) passei. Conheci o rapaz por que (pelo qual) tua filha anda apaixonada.

Por quê (separado, com acento) – Perguntas diretas ou indiretas sempre no final de frase; também se trata do pronome interrogativo que precedido da preposição por, é possível subentender a palavra motivo. Exemplos: Trabalhas tanto por quê (motivo)? Saíste daqui e nunca me disseste por quê?

Porque (junto, sem acento) – Respostas no início ou meio de frase: Trabalho porque preciso. Porque conheço você, não acredito nessa história.
– Pergunta-resposta: Não trabalhaste porque estavas doente? Ela não confia mais em mim; será que é porque menti para ela?
– No lugar de para que (indicando finalidade): Chegue mais perto porque (para que) todos possam vê-lo melhor. [Um pouco antiga esta forma.]

Porquê (junto, com acento) – Trata-se de substantivo. Neste caso, vem sempre determinado (pelo artigo): Não entendi o porquê da sua dúvida. Tanto porquê me deixa confuso.
A resposta fica reticente (incompleta): Cheguei atrasado porquê… ora, não sei.


Manual Keimelion:
texto bem escrito.

O assunto que você procurou, a matéria deste post e muito mais sobre redação, especialmente a destinada às universidades, está em nosso manual.

O objetivo deste Manual Keimelion 2010 para redação acadêmica é subsidiar a produção de textos científicos, fornecer elementos para que os aspectos linguísticos e formais não constituam grandes obstáculos ao trabalho. Nele se encontram indicações de procedimentos a serem seguidos ou evitados. São fornecidas sugestões de apresentação dos trabalhos, de acordo com as usuais formatações e regras de referência.
É a nova edição revisada, ampliada e atualizada pela nova ortografia. Agora disponível para impressão sob demanda. Você pode comprar neste link.


Leia ainda neste blog: Colocação de pronomes - Estratégias para promover a revisão - Como escrever palavras compostas - Desencalhe sua tese

O bom uso de numerais e algarismos

Numeração homogênea é Keimelion.

Algarismos romanos
Usa-se algarismo romano, principalmente em transcrição de texto legal e nomes próprios como XV de Piracicaba (time de futebol), nomes de soberanos e papas (por extenso, ordinais até 10º e cardinais daí em diante): João Paulo II; Carlos V; Leão X; Luís XIV; João XXIII.
Não se usam romanos para numerar seções de texto, exceto leis, decretos e regulamentos. Há norma contrária a isso e nenhuma necessidade de o fazer.

Numerais
Numeral é a palavra que exprime quantidade, número de ordem, múltiplo ou fração.
Não se iniciam parágrafos com algarismos arábicos. No início da frase ele deve vir escrito por extenso, com numerais cardinais ou ordinais.
Nem tudo são números
Os gráficos, gravuras, ilustrações, fotografias, figuras e esquemas constantes dos textos serão numerados com algarismos arábicos, assim como as tabelas e os quadros (Figura 1 – Cana-de-açúcar; Tabela 3 – População nordestina; Foto 5 – Matas de galerias).
Só se usam palavras quando não houver nada nas ordens ou classes inferiores (13 mil pessoas faleceram…). Não se empregam os numerais cardinais e ordinais quando existirem classes inferiores, mas os arábicos: (13.700 pessoas faleceram no naufrágio… e não 13 mil e setecentos…) (EMBRAPA).


Adquira o Manual
O assunto que você procurou, a matéria deste post e muito mais sobre redação, especialmente a destinada às universidades, está em nosso manual.

O objetivo deste Manual Keimelion 2010 para redação acadêmica é subsidiar a produção de textos científicos, fornecer elementos para que os aspectos linguísticos e formais não constituam grandes obstáculos ao trabalho. Nele se encontram indicações de procedimentos a serem seguidos ou evitados. São fornecidas sugestões de apresentação dos trabalhos, de acordo com as usuais formatações e regras de referência.
É a nova edição revisada, ampliada e atualizada pela nova ortografia. Agora disponível para impressão sob demanda. Você pode comprar neste link.

Leia por aqui: A formação do revisor de textos - Principais serviços prestados - Erros comuns na redação - Emprego do verbo haver

25 de março de 2009

Emprego de maiúsculas e minúsculas

Maiúsculas e minúsculas.

Observe o uso corrente de inicial maiúscula no começo de frase e nomes próprios.
Os casos controversos ou duvidosos são apresentados abaixo, seguindo tendência simplificadora em direção às minúsculas.
Uso obrigatório de maiúsculas
Ciências, disciplina
Direito, Filosofia, Sociologia, Português, Física, Medicina, Deontologia, Paleontologia, Arte, Literatura.
Citação direta
O ministro disse: “Acabou a inflação”.
Conceitos políticos importantes
Constituição, Estado, Federação, União, República, Poder Executivo, Legislativo, Judiciário, Justiça, Direito (conjunto de normas).
Epítetos (apelidos) de personagens históricos
Ivã, o Terrível; Pepino, o Breve; Ricardo Coração de Leão; João sem Terra; Maria, a Louca;
Instituições, órgãos e unidades administrativas
Presidência da República, Supremo Tribunal Federal, Câmara dos Deputados, Senado Federal, Assembléia Legislativa, Ministério da Fazenda, Secretaria da Educação, Exército, Marinha, Forças Armadas, Polícia Militar, Comissão de Relações Exteriores, Museu de Arte Moderna, Prefeitura de São Paulo, Estado (ou Província, Condado, Cantão etc., se for a divisão administrativa oficial do país em questão): “Art. 1o [ADCT] O Presidente da República, o Presidente do Supremo Tribunal Federal e os membros do Congresso Nacional prestarão o compromisso de manter, defender e cumprir a Constituição, no ato e na data de sua promulgação” (BRASIL, 1988).
Leis e normas, quando constituírem nome próprio
Lei Sarney, Lei do Ventre Livre, Lei de Diretrizes e Bases, Código Penal, Plano Diretor. Mas atenção, se a lei for conhecida apenas por seu número, usa-se minúscula: lei nº 5.250, portaria nº 123, medida provisória 296 (há quem discorde desse procedimento).
Nomes de datas, feriados, eventos históricos ou festas religiosas e populares
Primeiro de Maio, Dia do Trabalho, Sete de Setembro, Natal, Carnaval (há quem discorde) no caso de festas pagãs), Revolução Francesa, Dia D, Ramadã, Yom Kippur, Dia da Bandeira, Proclamação da República, Dia do Aviador, Guerra do Golfo, Segunda Guerra Mundial.
Ocidente e Oriente
Quando se referem ao hemisfério como conceito geopolítico: O antagonismo entre Ocidente e Oriente.
Período histórico ou geológico
Idade Moderna, Idade Média, Idade do Bronze, Alta Idade Média, Era Cristã, Antiguidade, Pré-História, Pleistoceno, Pré-Cambriano, o Seiscentos.
Prêmios e distinções
Prêmio Nobel de Medicina, Ordem do Cruzeiro do Sul, Prêmio Esso de Jornalismo, Medalha da Inconfidência.
Região geográfica ou espacial, oficial ou consagrada
Triângulo Mineiro, Vale do Paraíba, Baixada Fluminense, Meio-Oeste (Costa Leste, Costa Oeste) dos EUA, Leste Europeu, Oriente Médio, Oriente Próximo, Extremo Oriente, Sistema Solar, Cruzeiro do Sul, Ursa-Maior.
Título de obras
A questão sobre esse aspecto é controversa: a norma gramatical determina o uso de maiúsculas para títulos das obras, quer sejam discos, livros, filmes, pinturas, esculturas, peças de teatro, óperas, programas de TV – O Lago dos Cisnes, O Homem que Confundiu sua Mulher com um Chapéu, Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos.
A ABNT recomenda o uso de minúsculas nas bibliografias, o que coincide com a tendência simplificadora atual – O lago dos cisnes, O homem que confundiu sua mulher com um chapéu, Mulheres à beira de um ataque de nervos, Manual para redação acadêmica (NEVES, 2000:960).
Foi adotado por nós e aqui se recomenda o procedimento uniformizante de acordo com a tendência de se fazer uso de maiúscula apenas na inicial dos títulos, tanto das obras quanto das suas partes, capítulos, seções.
Artigos, preposições, conjunções e partículas átonas que ocorrerem no meio do título são grafados em minúsculas qualquer seja o critério adotado.

Uso de minúsculas
Cargos, profissões, títulos e fórmulas de tratamento
O papa, presidente, sir John, cardeal Arns, engenheiro, doutor pela USP, mestre Abelardo, lorde Keynes, santo Antônio, são Pedro, senhor, dom, você. Essa questão não é pacífica, mas a tendência simplificadora e o pleno rigor da norma indicam essa postura em detrimento de outra mais antiga, em que faz uso de maiúscula como denotação de respeito.
Quando a designação do cargo fizer referência a instituição ou órgão de governo, atenção para manter a maiúscula no segundo termo: secretário da Defesa, ministro do Interior, governador do Estado.
Estado
Como sinônimo de situação, disposição: estado de espírito, estado de sítio, estado sólido, estado interessante, estado-tampão, estado-maior.
Gentílicos
Um brasileiro, soteropolitano, tricordiano, romano, carioca, norte-americano, marciano.
Meses e dias da semana
O mês de janeiro, julho, dezembro, sexta-feira, segunda, domingo. Começa-se com minúscula e não se abrevia, exceto na bibliografia: jan., fev., mar., abr., mai., jun., jul., ago., set., out., nov., dez. (Veja quadros das abreviaturas dos meses em várias línguas.)
Nação, país, governo, exterior e interior
Sempre, a não ser que integrem ou substituam nome próprio.
Norte/ sul/ leste/ oeste
Quando se referirem ao ponto cardeal como direção ou limite – O navio seguia para o norte, O vento oeste ou Zéfiro, O Uruguai fica ao sul do Brasil (NEVES, 2000;261).
Mas atenção, usa-se maiúscula quando integrar nome próprio ou designar região e conceito geopolítico: Timor Leste; pólo Norte, o antagonismo entre Norte e Sul.
República e monarquia
Quando designarem forma de governo: “Art. 2o [ADCT] No dia 7 de setembro de 1993, o eleitorado definirá, a forma (república ou monarquia constitucional) e o sistema de governo (parlamento ou presidencialismo) que devem vigorar no País” (BRASIL, 1988).
Segunda menção
Nomes de instituições, quando aparecem pela segunda vez no texto de forma simplificada: O ar-condicionado do Ministério da Fazenda está quebrado. Os funcionários desse ministério se queixam do calor.
Exceções: Presidência, Supremo, Câmara, Senado, Assembléia, sempre com maiúscula, mesmo em segunda menção, assim como os conceitos políticos importantes (veja item no começo deste tópico).
Vias, logradouros e acidentes geográficos
A rua da Consolação, avenida Brasil, praça da República, parque do Carmo, oceano Atlântico, cabo Horn, estreito de Magalhães, mar Mediterrâneo.
Há exceções. Quando o acidente geográfico fizer parte de nome próprio, usam-se maiúsculas: Ilhas Salomão, Cabo Verde, Costa do Marfim.
Lembre-se de que em mapas os nomes de acidentes geográficos, vias e logradouros constituem frases quando aparecem isolados, devendo ser grafados com inicial maiúscula.
Acidente geográfico
Começa sempre com minúscula, exceto quando a designação do acidente fizer parte de substantivo próprio: ilha de Fernando de Noronha, Ilhas Salomão; cabo Horn, Cabo Verde; oceano Atlântico, mar Mediterrâneo, mar da China, mar Morto.
Palavras hifenizadas
Lembre-se de que palavras separadas por hífen mantêm sua autonomia fonética. Assim, quando é o caso de escrevê-las com maiúscula, esta deve incidir sobre todos os elementos: Grã-Bretanha, Vice-Presidência, baía de Todos-os-Santos. Note-se que eventuais partículas átonas permanecem com minúscula (veja palavras hifenizadas na página nº 114).
Van/ von – da/ de /di
Estas partículas de nomes próprios são escritas com minúscula quando o nome for citado por inteiro: Vincent van Gogh. Com maiúscula, quando for mencionado apenas o sobrenome: Van Gogh. O mesmo vale para partículas semelhantes de outras línguas, como o de do francês e da, de, di do italiano.

Adquira o Manual Keimelion
para redação acadêmica.
O assunto que você procurou, a matéria deste post e muito mais sobre redação, especialmente a destinada às universidades, está em nosso manual.

O objetivo deste Manual Keimelion 2010 para redação acadêmica é subsidiar a produção de textos científicos, fornecer elementos para que os aspectos linguísticos e formais não constituam grandes obstáculos ao trabalho. Nele se encontram indicações de procedimentos a serem seguidos ou evitados. São fornecidas sugestões de apresentação dos trabalhos, de acordo com as usuais formatações e regras de referência.
É a nova edição revisada, ampliada e atualizada pela nova ortografia. Agora disponível para impressão sob demanda. Você pode comprar neste link.

20 de março de 2009

Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa


Academia Brasileira de Letras lança a 5ª edição do Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa

ABL lançou no dia 19 de março a 5ª edição do VOLP, explicando os critérios definitivos para a implantação do Acordo Ortográfico no Brasil.

Saiba mais clicando aqui.

O Acadêmico Evanildo Bechara, Coordenador da Comissão de Lexicografia e Lexicologia da ABL (integrada por ele e pelos Acadêmicos Eduardo Portella e Alfredo Bosi), disse que, “com a realização deste trabalho, a ABL traz contribuição relevante ao sonho de unificação ortográfica acalentado por tantos filólogos portugueses e brasileiros. Acreditamos ter contribuído para a a elaboração do futuro Vocabulário Ortográfico Comum da Língua Portuguesa, tarefa não só proposta pelos signatários do novo Acordo, mas que foi também sonho dos fundadores da ABL em 1897”.
Está disponível a versão eletrônica da edição que contempla o Novo Acordo Ortográfico; a ABL disponibiliza a edição para consulta pela internete, clique aqui.

Observação: esta versão digital foi atualizada conforme a nova ortografia em vigor. Disponível gratuitamente para consulta.




O assunto que você procurou, a matéria deste post e muito mais sobre redação, especialmente a destinada às universidades, está em nosso manual.
O objetivo deste Manual Keimelion 2010 para redação acadêmica é subsidiar a produção de textos científicos, fornecer elementos para que os aspectos linguísticos e formais não constituam grandes obstáculos ao trabalho. Nele se encontram indicações de procedimentos a serem seguidos ou evitados. São fornecidas sugestões de apresentação dos trabalhos, de acordo com as usuais formatações e regras de referência.
É a nova edição revisada, ampliada e atualizada pela nova ortografia. Agora disponível para impressão sob demanda. Você pode comprar neste link.

Grump e o acordo ortográfico

Dá para rir (ou chorar...) e para aprender ou aproveitar nas aulas!
Clique na imagem para ampliar e divirta-se.










O assunto que você procurou, a matéria deste post e muito mais sobre redação, especialmente a destinada às universidades, está em nosso manual.

O objetivo deste Manual Keimelion 2010 para redação acadêmica é subsidiar a produção de textos científicos, fornecer elementos para que os aspectos linguísticos e formais não constituam grandes obstáculos ao trabalho. Nele se encontram indicações de procedimentos a serem seguidos ou evitados. São fornecidas sugestões de apresentação dos trabalhos, de acordo com as usuais formatações e regras de referência.
É a nova edição revisada, ampliada e atualizada pela nova ortografia. Agora disponível para impressão sob demanda. Você pode comprar neste link.
Leia ainda neste blog: Autor versus revisor de textos - Quanto custa a revisão de textos - Plágio e fraude acadêmica - A relevância da introdução

Keimelion, revisores acadêmicos

Nossos telefones:
São Paulo +55 (11) 3042-2403
Rio de Janeiro +55 (21) 3942-2403
Belo Horizonte +55 (31) 3889-2425
Skype: keimelion
Solicite orçamento sem compromisso, enviando o texto para:
keimelion@gmail.com
Não elaboramos trabalhos de graduação ou pós. Não insista.