24 de fevereiro de 2009

UmPortugues.com - site de ajuda com nova ortografia

Desde 1º de janeiro de 2009 entrou em vigor no Brasil a nova grafia do português, definida pelo Acordo Ortográfico de 1990. O trema foi extinto, algumas palavras perderam acentos e as regras do hífen mudaram. Agora é preciso aprender a escrever do jeito novo. O site UmPortugues.com foi criado para ajudar nesta tarefa, trazendo textos e ferramentas que auxiliam no aprendizado da grafia.

Destaques do Acordo


Aprenda lendo:

Aqui você pode ler com calma o texto oficial do Acordo Ortográfico. Saiba todos os detalhes de cada regra, as exceções e os exemplos de uso.

Este é o texto original de 1990, assinado pelos oito países participantes. Ele é a "bíblia" que definiu todos os pontos do acordo. Estude-o com muita atenção, para dominar a nova grafia do português.



O assunto que você procurou, a matéria deste post e muito mais sobre redação, especialmente a destinada às universidades, está em nosso manual.
O objetivo deste Manual Keimelion 2010 para redação acadêmica é subsidiar a produção de textos científicos, fornecer elementos para que os aspectos linguísticos e formais não constituam grandes obstáculos ao trabalho. Nele se encontram indicações de procedimentos a serem seguidos ou evitados. São fornecidas sugestões de apresentação dos trabalhos, de acordo com as usuais formatações e regras de referência.
É a nova edição revisada, ampliada e atualizada pela nova ortografia. Agora disponível para impressão sob demanda. Você pode comprar neste link.

16 de fevereiro de 2009

Locuções e seu emprego



Locuções são conjuntos de palavras que equivalem a um só vocábulo, por terem significado conjunto próprio e função gramatical única (p.ex., a de adjetivo, donde locução adjetiva, a de verbo, donde locução verbal etc.) [Houaiss].
Seu emprego no texto acadêmico deve se revestir de certos cuidados que afastem equívocos interpretativos, bordões e linguajar coloquial ou gongorismo:

A cores
A TV, o filme, a ilustração são em cores e não a cores. Também: impressão em três cores.
A fim de/ afim
A locução a fim de significa com o objetivo de: O desassoreamento foi feito a fim de baixar o nível do rio e evitar novas enchentes. O adjetivo afim indica afinidade, parentesco: Esses são assuntos afins.
À medida que
Usa-se apenas quando for muito importante para facilitar a compreensão do texto. Não se escreve na medida que e à medida que ou na medida em que. Não há entendimento homogêneo sobre o uso desta expressão. Veja-se conjunção na página nº 81.
A meu ver
É errado escrever ao meu ver. O certo é a meu ver: A meu ver, este assunto está encerrado.
A nível de /em nível de
A expressão ao nível de significa na mesma altura de: ao nível do mar. É errado usar ao nível de significando em termos de ou no plano de: A nível oficial.
O certo seria “…e outros que determinam as ‘prioridades de formação’ dos professores para que estes se tornem mais aptos a desenvolver a política educativa planificada em nível oficial e que atendam às emergências” (FERREIRA, ML, 2001:24 – grifos do Autor). Apesar de aceitável, o melhor é evitar a expressão, já desgastada pelo emprego abusivo. Usa-se o adjetivo correspondente (em nível oficial equivale a oficialmente), exceto quanto o emprego for no sentido próprio:
“O sistema Quantec 2000 produziu grande e significante transporte no nível apical quando comparado com o Profile Serie 29” (BASTOS, 2002:41).
A partir do momento
É evitado, a não ser quando o termo momento estiver sendo empregado no sentido próprio, da Física. Emprega-se: quando.
Não se deve escrever frases como: A partir do momento em que a temperatura é reduzida… Veja-se o emprego correto:
“Quando a temperatura é reduzida para bem perto da temperatura crítica de Curie , o alinhamento de um dado momento magnético (spin) provoca um alinhamento preferencial (idêntico) para uma distância considerável, chamada de comprimento de correlação” (NASSIF, 2001:13 – grifo do Autor).
Além disso/ além do que
Evita-se. Em geral pode ser substituído por e ou por ponto. Esta conta é distinta das anteriores, pois não se relaciona a nenhuma conta de resultado. Além disso, sua variação não tem impacto sobre o lucro apurado. É melhor escrever: “Esta conta é distinta das anteriores, pois não se relaciona a nenhuma conta de resultado e sua variação não tem impacto sobre o lucro apurado” (MARTINEZ, 2001:5-93).
Ao contrário/ diferentemente
Erro muito comum. Ao contrário significa ao invés, exige oposição entre dois termos: “…as discrepâncias entre os hemisférios Norte e Sul, ao contrário de diminuírem, vêm se recrudescendo…” (ATHAYDE, 2002). Recrudescer opõe-se a diminuir. Diferentemente é o mesmo que em vez de. Não requer oposição entre dois termos: Diferentemente do que se diz, o português não é das línguas mais difíceis. Não há oposição entre ser ou não ser das mais difíceis.
Ao invés de/ em vez de
Ao invés de significa ao contrário de: “…ao invés de ir expandindo homogeneamente do centro para a periferia, o crescimento se deu também da periferia para o centro” (RODRIGUES, 2002:60). A expressão serve para mostrar a oposição entre dois termos. Não confundir com em vez de, que é em lugar de: Em vez de baixar a portaria, o governador se reuniu com a bancada. É errado escrever: Ao invés de baixar a portaria, o governador se reuniu com a bancada.
Ao mesmo tempo
Usa-se apenas para facilitar a compreensão do texto e substituir simultaneamente ou concomitantemente, quando essas expressões já tiverem sido empregadas, para evitar repetições.
Ao passo que
Na maioria das vezes pode ser substituído por enquanto.

O assunto que você procurou, a matéria deste post e muito mais sobre redação, especialmente a destinada às universidades, está em nosso manual.

O objetivo deste Manual Keimelion 2010 para redação acadêmica é subsidiar a produção de textos científicos, fornecer elementos para que os aspectos linguísticos e formais não constituam grandes obstáculos ao trabalho. Nele se encontram indicações de procedimentos a serem seguidos ou evitados. São fornecidas sugestões de apresentação dos trabalhos, de acordo com as usuais formatações e regras de referência.
É a nova edição revisada, ampliada e atualizada pela nova ortografia. Agora disponível para impressão sob demanda. Você pode comprar neste link.
Leia aqui no blog: Autor versus revisor de textos - Revisão de textos em contexto - Revisando seus textos

11 de fevereiro de 2009

Estrangeirismos

Estrangeirismo ou peregrinismo é o uso de palavra, expressão ou construção estrangeira que não tenha equivalente vernácula em nossa língua. É apontada nas gramáticas normativas como um vício de linguagem, mas há muito esta é apontada como uma visão simplista por diversos linguistas, como Marcos Bagno, da UnB, John Robert Schmitz, da UNICAMP e Carlos Alberto Faraco, da UFPR.[1] (Wikipédia)

“Talvez seja conseqüência de um conjunto de fatores o que leva os brasileiros a imaginar como místicas e esotéricas as palavras ordinárias usadas no inglês para dar nomes às coisas. Nesse conjunto, constato a presença do deslumbramento pelos falantes de inglês, da ignorância da língua portuguesa, da ignorância da língua inglesa, da ignorância da cultura estrangeira, da ignorância de etimologia e da ignorância de semântica. Juntam-se todas essas ignorâncias e, sem precisar bater no liquidificador, surgem as palavras mágicas e as traduções literais, as traduções mal-ajambradas e a importação de palavras alienígenas em sua forma original. Precisamos exorcizar esses demônios” (SIMÕES, 2001).

Palavras ou expressões estrangeiras são usadas quando não existe equivalente em português ou foram consagradas pelo uso corrente: rock, show, pop, punk, réveillon, status, blitz, kitsch, overnight, outdoor, know-how, lobby, software, hot dog. Nesses casos são grafadas sem aspas nem itálico.
Muito cuidado ao flexionar número nas palavras estrangeiras. A forma correta de o fazer é a da língua de origem. O plural de blitz é blitze, mas já se viu escrever blitzes, blitzen e outras barbaridades... O mesmo se aplica aos latinismos, o plural de campus é campi, o plural de curriculum é curricula (e neste caso se pode bem usar em português, currículo(os), sem ser vedado o latinismo). Mas não se devem fazer outras flexões ou declinações, apenas a de número. Não se escreve: as páginas curriculi (do currículo), mas: as páginas do curriculum – sem declinar o genitivo.
O uso gratuito ou excessivo de estrangeirismo torna o texto pedante. Palavra ou expressão estrangeira menos conhecida e de difícil tradução, ainda que em texto especializado, deve ser acompanhada de explicação: spread, taxa de risco nos empréstimos internacionais. Nesse caso, a expressão é grafada em itálico, preferencialmente, ou entre aspas.
Os juristas devem deixar terminologia latina desnecessária de lado, no texto acadêmico, fazendo uso restrito dos conceitos referentes a institutos importados do Direito Romano. Periculum in mora: aceita-se – data venia: é preferível evitar.
Não levam aspas ou itálico os nomes ou marcas de companhias estrangeiras (Microsoft, Boeing, TWA, Levi’s, Sears, Viagra), modalidades esportivas (squash, skate), denominações de naves e satélites espaciais (Vega, Challenger) e nomes de pessoas, instituições e lugares.
Nomes de órgãos e entidades estrangeiras devem ser traduzidos quando não forem ligados ao objeto do trabalho. Quando a tradução literal for insuficiente para a compreensão do que faz o órgão ou entidade, usa-se a sigla estrangeira sem aspas, traduzindo seu significado e citando o equivalente brasileiro: FBI (Birô Federal de Investigações, a polícia federal norte-americana) (FOLHA, adaptado).


O assunto que você procurou, a matéria deste post e muito mais sobre redação, especialmente a destinada às universidades, está em nosso manual.
O objetivo deste Manual Keimelion 2010 para redação acadêmica é subsidiar a produção de textos científicos, fornecer elementos para que os aspectos linguísticos e formais não constituam grandes obstáculos ao trabalho. Nele se encontram indicações de procedimentos a serem seguidos ou evitados. São fornecidas sugestões de apresentação dos trabalhos, de acordo com as usuais formatações e regras de referência.
É a nova edição revisada, ampliada e atualizada pela nova ortografia. Agora disponível para impressão sob demanda. Você pode comprar neste link.

2 de fevereiro de 2009

Lugar-comum, vício comum

Expressões pobres são dispensáveis em textos, principalmente devem ser evitadas no texto acadêmico: antes de mais nada, ao mesmo tempo, pelo contrário, por sua vez, por outro lado, via de regra, com direito a, até porque.


O revisor de textos vai caçar sem
piedade os lugares-comuns.
São dispensados também modismos ou chavões que vulgarizam a escrita e a fala.

Houaiss: LUGAR-COMUM substantivo masculino 1 Retórica: Fonte geral de onde os oradores podem tirar argumentos e provas para qualquer assunto 2 Teologia: Conjunto de fontes hierarquicamente ordenadas e criticadas das quais se servem os teólogos para fundamentar os argumentos da doutrina católica 3 Derivação: Por extensão de sentido: idéia, frase, dito, sem originalidade; banalidade, chavão; 3.1 o que é do conhecimento de todos; coisa trivial.


Evite-se: a todo vapor; a toque de caixa; abrir/fechar com chave de ouro; aparar as arestas; ataque fulminante; atirar farpas; atuação impecável (irretocável, irrepreensível); avançada tecnologia; caixinha de surpresas; calorosa recepção; caloroso abraço; calorosos aplausos; carreira brilhante (meteórica); catapultar; chegar a um denominador comum; com direito a; com certeza; confortável mansão; conseqüências imprevisíveis; consternar profundamente; corações e mentes; coroar-se de êxito; correr por fora; dar retorno; debelar as chamas; detonar (deflagrar) um processo; dispensa apresentação; duras (pesadas) críticas; em nível de; enquanto [significando “na condição de”]; equipamento sofisticado; erro gritante; escoriações generalizadas; estrondoso (fulgurante, retumbante) sucesso; extrapolar; familiares inconsoláveis; fazer uma colocação; fez por merecer; fonte inesgotável; fortuna incalculável; gerar polêmica; importância vital; inflação galopante; inserido no contexto; líder carismático; literalmente tomado; luz no fim do túnel; monstruoso congestionamento; na vida real; no fundo do poço; o cardápio da reunião; óbvio ululante; pavoroso incêndio; perda irreparável; perfeita sintonia; preencher uma lacuna; prejuízos incalculáveis; quebrar o protocolo; requintes de crueldade; respirar aliviado; rota de colisão; ruído ensurdecedor; ser o azarão; sonora (estrepitosa) vaia; tirar uma resolução; trair-se pela emoção; trocar figurinhas; visivelmente emocionado; vitória esmagadora.

Devem-se cortar ou substituir essas expressões sempre que possível e evitar palavras que emprestem tom preciosista ou exagerado ao texto, como viatura, veículo, residência, mansão, esposa, colisão, falecer, óbito, magnata, miserável, sanitário, toalete. Convém dar preferência ao vocabulário coloquial onde couber, resguardados os termos técnicos: carro de polícia, carro, casa, mulher, batida, morrer, morte, empresário, pobre, banheiro. Cuidado ainda com expressões como: a pior crise da história do país. Ao longo dos anos, todas as crises políticas e econômicas têm sido assim classificadas.


Contribua com nossa lista mencionando aqueles bordões que você detesta encontrar nos textos que lê:

1 de fevereiro de 2009

Erros mais comuns

Várias listas de erros mais comuns podem ser encontradas, alguns erros podem parecer absurdos para quem não os comete, mas para a maioria dos autores há sempre aquele vício de omissão, lapso ou desconhecimento característico.
Fazendo leitura breve dessa relação, certamente você identificará algum erro em que costuma incorrer ou passará a notar que outros cometem essa e aquela falhas.

Erros mais comuns... Redação correta
Apesar do Presidente retrucar… Apesar de o Presidente retrucar…
Depois da palestra começar… Depois de a palestra começar…
Apesar daqueles comprarem… Apesar de aqueles comprarem…
Em função de… Em virtude de… Por causa de…
A terminação -mos das formas verbais: Damos-nos; queixamos-nos; referimos-nos. Damo-nos; queixamo-nos; referimo-nos.
Emprego de mesmo, mesma para subsidiar pronomes. Ex: chegou o livro que esperavas; o mesmo traz ótimos recursos. Chegou o livro que esperavas; ele traz ótimos recursos.
Os faxes, os telexes, os látexes. Os fax; os telex; os látex.
Através de (atente para o sentido). Por meio de…; Por intermédio de…; Mediante…; Por.
Caixa Postal, 12. Caixa Postal 12 (sem vírgula).
08 horas. 8 horas / 08:15. 8h 15min / 8h 15min 15s (sem ponto de abreviatura)
Página 05. Página 5. / Dia 05. Dia 5.
Face a necessidade… Em face da necessidade… Diante da necessidade…
Com vista… Com vistas… A fim de…
Brasília, DF ou Brasília DF. Brasília-DF ou Brasília (DF).
Gostaríamos de expressar… Expressamos…
Sito à rua 7 de Setembro… Sito na rua 7 de Setembro… Residente na rua Presidente Vargas Morador na rua… Sediado em Recife…
Estamos encaminhando… Encaminhamos... Anexamos…
Mal cheiro, mau-humorado. Mau cheiro (bom cheiro), mal-humorado (bem-humorado). Mau humor, mal-intencionado, mau jeito, mal-estar.
Fazem cinco anos. Faz cinco anos. Fazia dois séculos. Fez 15 dias.
Houveram muitos acidentes. Houve muitos acidentes. Havia muitas pessoas. Deve haver muitos casos iguais .
Existe muitas esperanças. Existem muitas esperanças. Bastariam dois dias. Faltavam poucas peças. Restaram alguns objetos. Sobravam idéias.
Para mim fazer. Para eu fazer, para eu dizer, para eu trazer.
Entre eu e você. Entre mim e você. Entre eles e ti.
Há dez anos atrás. Use apenas há dez anos ou dez anos.
Venda à prazo. Salto à (moda de) Luís XV. Nos demais casos: A salvo, a bordo, a pé, a esmo, a cavalo, a caráter.
Vai assistir o jogo hoje. Vai assistir ao jogo, à missa, à.
O resultado do jogo, não o abateu. O resultado do jogo não o abateu
O prefeito prometeu, novas denúncias. O prefeito prometeu novas denúncias.
Preferia ir do que ficar. Preferia ir a ficar. É preferível lutar a morrer sem glória.
Vultuoso [a forma existe, mas se refere ao aspecto da face quando está vermelha e tumefacta, e com os olhos salientes (AURÉLIO)]. Vultoso – de grande vulto.
Nunca lhe vi. Nunca o vi. Não o convidei. A mulher o deixou. Ela o ama.
Aluga-se casas. Alugam-se casas. Fazem-se consertos. É assim que se evitam acidentes. Compram-se terrenos.
Tratam-se de. Trata-se dos melhores profissionais. Precisa-se de empregados. Apela-se para todos. Conta-se com os amigos.
Chegou em São Paulo. Chegou a São Paulo. Vai amanhã ao cinema.
Atraso implicará em punição. Atraso implicará punição. Promoção implica responsabilidade.
Vive às custas do pai. Vive à custa do pai.
Todos somos cidadões. O plural de cidadão é cidadãos.
Vendeu uma grama de ouro. Grama, peso, é palavra masculina: um grama de ouro.
Porisso. Por isso.
Não viu qualquer risco. Não viu nenhum risco. Ninguém lhe fez nenhum reparo. Nunca promoveu nenhuma confusão.
A feira inicia amanhã. A feira inicia-se (inaugura-se) amanhã.
Não sabiam aonde ele estava. Não sabiam onde ele estava.
Obrigado, disse a moça. Obrigada, disse a moça.
O governo interviu. O governo interveio.
Ela era meia louca. Meio louca, meio esperta, meio amiga.
Fica você comigo. Fique você comigo.
A questão não tem nada haver com você. A questão, na verdade, não tem nada a ver ou nada que ver.
Vou emprestar dele. Vou emprestar a ele.
Ele foi um dos que chegou antes. Ele foi um dos que chegaram antes.
Ministro nega que é negligente. Ministro nega que seja negligente.
Tinha chego atrasado. Tinha chegado atrasado.
Tons pastéis predominam. Tons pastel, blusas rosa, gravatas cinza, camisas creme.
O processo deu entrada junto ao STF. Processo dá entrada no STF.
A artista deu à luz a gêmeos. A artista deu à luz gêmeos.
Chegou a duas horas e partirá daqui há cinco minutos. Chegou há (faz) duas horas e partirá daqui a (tempo futuro) cinco minutos.
Estávamos em quatro à mesa. Estávamos quatro à mesa.
Sentou na mesa para comer. Sentou-se à mesa para comer.
Ficou contente por causa que ninguém se feriu. Ficou contente porque ninguém se feriu.
O time empatou em 2 a 2. O time empatou por 2 a 2.
À medida em que a epidemia se espalhava… À medida que a epidemia se espalhava…
Não queria que receiassem a sua companhia. Não queria que receassem a sua companhia.
A moça estava ali há muito tempo. A moça estava ali havia (fazia) muito tempo.
Acordos políticos-partidários. Acordos político-partidários.
Todos amigos o elogiavam. Todos os amigos o elogiavam.
Ela mesmo arrumou a sala. Ela mesma (própria) arrumou a sala.
Chamei-o e o mesmo não atendeu. Chamei-o e ele não atendeu.
Vou sair essa noite. Vou sair esta noite.
A promoção veio de encontro aos seus desejos. A promoção veio ao encontro dos seus desejos.
Comeu frango ao invés de peixe. Comeu frango em vez de peixe.
A tese onde ele defende… A tese em que ele defende…
Já fui comunicado da decisão. A decisão já me foi comunicada.
Venha por a roupa. Venha pôr a roupa. (Mesmo com a reforma ortográfica!)
Inflingiu o regulamento. Infringiu o regulamento.
Espero que viagem hoje. Espero que viajem hoje.
Evite também comprimentar alguém. Tente cumprimentar alguém.
O pai sequer foi avisado. O pai nem sequer foi avisado.
Causou-me estranheza as palavras. Causaram-me estranheza as palavras.
A realidade das pessoas podem mudar. A realidade das pessoas pode mudar.
Haja visto seu empenho… Haja vista seu empenho…
A moça que ele gosta. A moça de que ele gosta.
Vou consigo. (Correto, mas em desuso no Brasil.) Vou com você, vou com o senhor.
Já é 8 horas. Já são 8 horas. Já é (e não são) 1 hora, já é meio-dia, já é meia-noite.
Dado os índices das pesquisas… Dados os índices das pesquisas… Dado o resultado… Dadas as suas idéias…
Ao meu ver. A meu ver, a seu ver, a nosso ver.

Keimelion, revisores acadêmicos

Nossos telefones:
São Paulo +55 (11) 3042-2403
Rio de Janeiro +55 (21) 3942-2403
Belo Horizonte +55 (31) 3889-2425
Skype: keimelion
Solicite orçamento sem compromisso, enviando o texto para:
keimelion@gmail.com
Não elaboramos trabalhos de graduação ou pós. Não insista.